Voluntariado, experiência e mochilão

postado em: Pé na Estrada | 0

Uma das melhores opções de intercâmbio cultural, embora pouco mencionado por aí, com certeza é o voluntariado. A possibilidade de interagir com um estilo de vida diferente e vivenciar novas culturas aliam-se ao trabalho social tão necessitado em algumas partes do Planeta. É aquele esquema: conhecer o mundo fazendo o bem para o próximo.

Pensando no elo de ligação que se cria entre as culturas e na formação de cidadãos, há países que já disponibilizam programas de voluntariado específicos para estrangeiros. Na África do Sul e Namíbia, por exemplo, é possível cuidar de animais como girafas, zebras, crocodilos, leões, filhotes e espécies em extinção que demandem cuidados, além de suporte para crianças, jovens de risco e famílias africanas. Na Índia, os voluntários desenvolvem atividades em escolas, cuidam de crianças órfãs e com deficiência mental e, ainda, oferecem treinamento para o uso de computadores e aulas de inglês para garotas adolescentes e mulheres. No Peru é possível realizar projetos com pessoas e o meio ambiente, como atividades em escolas públicas, centros de saúde, orfanatos, reciclagem e preservação de matas, entre outros.

Experiência
A professora de inglês Denise de Miranda Mattos da Rocha, 32 anos, de Porto Alegre, conta que passou quatro semanas no verão na cidade litorânea de Jeffrey`s Bay, na África do Sul, fazendo o programa "Teach Kids on the Beach". Neste projeto os voluntários trabalham em uma creche sendo responsáveis por dar aulas para pequenas turmas de acordo com a idade e necessidades especiais. "Pude aprender e ensinar com o programa de intercâmbio que fiz na África", relata. Para Denise, a experiência de ensinar o inglês para crianças africanas foi um desafio com gosto de vitória, já que ela também estava lá para aprender. "Sinto que hoje me sino mais preparada para o mercado de trabalho", conta.

Para participar
Intercâmbio por meio de voluntariado requer ter no mínimo 18 anos de idade e possuir inglês intermediário, ou espanhol, no caso do Peru. Além disso, vontade de interagir com outras culturas e disposição são fundamentais para a atividade. Os trabalhos têm duração média de duas a 12 semanas, com possibilidade de extensão e atividades de cinco a sete dias por semana, com carga horária de quatro a oito horas por dia. Vale lembrar que além dos projetos sociais, os voluntários poderão conhecer e visitar locais históricos e belas cidades, como o Taj Mahal, na Índia, Cape Town, na África do Sul, Machu Pichu, no Peru, e o Deserto da Namíbia, na Namíbia.

Quem leva
O custo destes programas varia entre 580 euros e 1.700 euros, no caso da Índia, ou entre 600 dólares a 2.400 dólares, se o teu desejo é visitar outras nações. A Central de Intercâmbios (CI) de Porto Alegre(telefone [51]3346-4654) oferece vários pacotes montados para África do Sul, Namíbia, Índia e Peru. O valor pode ser parcelado em 10 vezes e inclui toda a orientação quanto à acomodação, passagens, visto e programa de estudos e voluntariado, claro.


*Com informações da Phosphoros Novas Ideias

Este post está também em www.jornalnh.com.br/penaestrada