Vinhos para brindar o outono

A terça-feira amanhece fria, cinzenta. Olhando pela janela, aquela garoa. É assim há vários dias. Acho que há mais de uma semana, se não me falhe a memória. Diante deste clima ameno, com temperaturas que não caem abaixo dos 10 graus e não passam dos 20 graus, resolvi falar de vinhos. Outono e inverno são as estações perfeitas para degustar a bebida. Me lembrei deste post, ontem à noite, quando jantei uma pizza acompanhado de um vinho (numa medida recomendável por médicos: uma meia taça).

Particularmente, vinhos e espumantes são bebidas que me fascinam. Desde o cultivo da uva, passando pelo processo de fabricação, até parar na mesa. Sempre vivi neste meio. O DNA dos Zanin (o ponto Z da logo do meu site), que chegaram aqui no Brasil em 1920, me permitiu este prazer. Depois, criado em Tubarão, vivia rodando pelo Sul de Santa Catarina, terra de italianos (embora muitos acreditem [principalmente a gauchada] que o negócio lá são os açorianos). Andei por meio de muitos parrerais de Urussanga, Pedras Grandes e Orleans e participei de muitas festas do interior regadas a muito vinho, suco de uva e galinha com polenta. Conheci também Videira, no meio-oeste catarinense. O nome da cidade já diz praticamente tudo. E morando aqui no Vale do Sinos, fiquei mais íntimo da Serra Gaúcha e Vale dos Vinhedos. Mas enfim, estas histórias da veia italiana da família eu conto outra hora…

Não sou especialista e nunca fiz questão de me meter a ser enólogo. Para as dicas de hoje, consultei sites de culinária e blogs de vinícolas e claro, de enólogos, como a porto-alegrense Maria Amélia Duarte Flores. Recomendo que dicas e cuidados especiais poderão ser aprendidos com o tempo, em guias de degustação ou literatura especializada.

O outono, segundo Maria Amélia, é a estação do vinho. “É perfeito para brancos encorpados, para tintos leves ou fortes, Porto”, sugere. Mas ela vai além nas dicas. Sobre espumantes, o ideal é um rosé. “Ao contrário de dez anos atrás, não estão mais apenas nas festas de final de ano. Estão nas quatro estações, na abertura de cada jantar, são sempre as boas-vindas, fazem as “honras” da casa.”

Como regra geral, os vinhos mais encorpados devem ser tomados no inverno, quando você poderá apreciá-los melhor, ou quando a harmonização com o prato a ser servido assim o pedir. Mas nada impede de bebê-lo no verão. No entanto, como a comida é mais leve, os melhores são os vinhos de baixo teor alcoólico: leves, brancos e rosés refrescantes ou até mesmo tinto leve são excelentes para essa época do ano.

Eu não tenho ainda uma adega, assim como a maioria. Mas vale outra dica: tente desfrutar um vinho na temperatura correta. Gelar demais esconde os sabores e aromas, e torna os vinhos tintos mais adstringentes. Servi-lo quente ressalta mais o álcool, desequilibrando-o. Espumantes (vulgo champanhes) devem estar de 5 a 7 graus, brancos de 7 a 10 graus e vinhos tintos de 15 a 18 graus (o que corresponde à temperatura ambiente na Europa). O vinho pode até ser colocado na geladeira, mas não por muito tempo. O ideal é ter uma adega climatizada e para servi-los, é melhor colocá-los em um balde com gelo pelo tempo necessário para que atinja a temperatura acima mencionada.

Ah, por último: beba os brancos antes dos tintos e os secos antes dos encorpados. Vinhos fortes ou fortificados irão sobrepor-se aos mais leves. Vinhos envelhecidos merecem ser bebidos sozinhos. E não esqueça de trocar as taças ao mudar o tipo de vinho servido.

Espero que estas dicas façam seu outono e inverno mais “quentes”. Saluti!

5 Respostas

  1. Débora Rech

    “O vinho e a música sempre foram para mim um magnífico saca-rolhas.”
    (Anton Pavlovitch Tchékhov)

    Adorei o texto, parabéns!

  2. Alexandre Aguiar

    DEU FOME.

  3. @catiachagas É a tua cara > RT @gabrielzguedes: No ar: Vinhos para brindar o outono http://bit.ly/95MHZT

  4. No ar: Vinhos para brindar o outono http://bit.ly/95MHZT

  5. Frio me lembra sempre um bom vinho. Adorei o texto. Há dicas bem interessantes. Abraço!!!!