Um caminho que merece sua atenção

postado em: Pé na Estrada | 1

A edição do ABC Domingo, deste 16 de maio, trouxe como destaque principal (manchete, aos menos leigos no jornalismo), a história e situação da estrada que liga Morro Reuter a Gramado: as VRS(s)-873 e 373 (VRS é uma sigla utilizada pelo governo identificar uma estrada estadual de caráter vicinal, que não suporta grande volume de tráfego). Uma reportagem de minha autoria e que, de certo modo, dá uma sequência ao que também foi mostrado no ABC Domingo de 27 de dezembro de 2009, quando percorri os 40 quilômetros de estrada de chão da RS-239 na Serra da Boa Vista, entre Riozinho e Maquiné. O que ambas têm em comum? O esquecimento dos governos, e a lembrança na mente daqueles, que assim como eu, buscam estar perto da natureza sempre que rola uma folga.

Depois de sugerir a pauta ao editor-chefe do ABC Domingo, Jeison Rodrigues, fui a campo naquele 28 de abril. A meta era colher relatos de quem depende daquele caminho, verificar a situação e a principal, confirmar se realmente diminui 20 quilômetros o trajeto entre Vale do Sinos e região das Hortênsias. O melhor de tudo, é que consegui bons relatos e confirmar a redução significativa na quilometragem, que é de 23 quilômetros.

Eu e motorista Luciano, saímos de Novo Hamburgo às 8h30. Era uma quarta-feira que começava com uma forte neblina no Vale do Sinos e Grande Porto Alegre. A visibilidade não era das melhores na BR-116.

Mas na medida em que avançamos rumo a Dois Irmãos, o sol se revelou. E da maneira mais outonal possível. Os plátanos, com algumas folhas verdes que teimavam em não cair, emolduravam a paisagem da BR-116 até Morro Reuter.

No entanto, foi só do alto de uma das escarpas da Serra Geral que o primeiro trecho da VRS-873 (Morro Reuter–Santa Maria do Herval) que conseguimos ter ideia da extensão do nevoeiro que tomava conta da região abaixo dos 700 metros de altitude. Visão impressionante lá de São José do Herval.

Em São José do Herval, observamos trechos muito bem ajardinados pela população, mostrando primor no zelo pelo lugar onde vivem. A simpática igreja de pedra da localidade não deixava me enganar. Segundo o dono de um dos restaurantes típicos germânicos lá de São José do Herval, Pedro Kieling, a comunidade aposta muito na continuidade do asfalto para Gramado, como forma de reforçar a vocação turística do bairro.

Em Santa Maria do Herval está situada a famosa Cascata do Herval. Uma queda d´água de 125 metros no Rio Cadeia, que é cartão postal da cidade. Mas o repórter aqui não visitou o local naquele dia, por não ter conseguido encaixar o agendamento com o pessoal da CEEE, responsável pela área, que também abriga uma usina hidrelétrica. Entretanto descobri que o município, situado bem no meio do trajeto entre Morro Reuter e Gramado abriga boas histórias.

Uma delas é desta serraria, movida pela força da água. Segundo moradores de Boa Vista do Herval, localidade que abriga esta relíquia, a serraria há pelo menos uns 100 anos e estava até alguns anos atrás abandonada. Mas um casal de São Leopoldo resolveu reformar o local, que será um mercado, restaurante e bar, em que o visitante poderá ver como funcionava antigamente. Sim, a roda d´água, que movia o maquinário, irá voltar a funcionar.

Passado Boa Vista do Herval, resolvi fazer uma foto do pavimento da VRS-373 em Alto Padre Eterno, para quem tiver curiosidade em saber, de fato, as condições dos 10,2 quilômetros de estrada de chão, entre Santa Maria do Herval e Serra Grande. Se comparada a RS-239, que percorremos em dezembro, a 373 é bem melhor, com pouco cascalho e saibro solto. Buracos eram poucos.

Em Alto Padre Eterno, conversei ainda com mãe e filha, Julita Comiotto, e Rosemere Selbackes, que tem como vizinho a VRS-373. Simpáticas, atenderam prontamente a reportagem e o pedido para fotos.

– Não tem problema em usar o bonezinho do Sicred? – Perguntou Julita.

Eu respondi que não. Mas ela complementou: – É o banco do pessoal daqui da colônia. – Eu só tive como responder com uma breve risada, porque a situação era curiosa. Mas deu para notar como certas marcas atingem em cheio seu nicho de mercado. Mesmo nos lugares mais remotos, longe da internet e telefone.

Durante a entrevista, resolvi perguntar também sobre a forma de locomoção até a cidade. Mas não foi surpresa alguma, quando responderam que o carro da casa era um Fusca. “É o carro de quem mora no interior”, disse Rosemere.

Depois da conversa, seguimos viagem. Chegamos em Gramado. Pelo menos no território do município. Estávamos em Serra Grande, a 8 quilômetros da cidade.

Lá, me chamou a atenção o ateliê do artista plástico Gilmar Sthal. Segundo informação passada pelo editor-chefe do Jornal de Gramado, Ilton Müller, Sthal é um dos gramadenses que anseia pela pavimentação da estrada. “Ele só deverá abrir o ateliê quando a estrada estiver pronta”, acredita Müller. No local, visitado pela repoortagem, mas o artista não estava, notei muitas obras feitas com pedras e material de demolição de casas antigas da região. Também havia muitas peças usadas em carroças e carros de bois. Aliás, a estrada percorrida é cheio de ateliês, principalmente em Morro Reuter, que denominou o seu trecho na VRS-873 como Rota das Artes.

Em Serra Grande, que não tem este nome em vão, também se destaca na paisagem as montanhas. O Morro Agudo, com 850 metros de altitude, desponta no planalto, na companhia de outras duas pequenas elevações. O Morro Agudo é aquele que você enxerga apenas o paredão de pedra basalto à esquerda da RS-115, sentido Taquara–Gramado.

Optando pelo caminho

* *

Quem vem do Vale, basta entrar em Morro Reuter no primeiro acesso à Santa Maria do Herval, que está devidamente sinalizado e no futuro receberá um trevo. Na volta, pouco antes do pórtico da RS-115, ingresse na rua para os bairros Várzea Grande e Serra Grande.

Em todo o caminho, a estrada está bem sinalizada. Não tem como se perder. Maior atenção apenas em Boa Vista do Herval. É preciso optar pelo caminho via Alto Padre Eterno.

Por último: este caminho não está no Google Mapas e nem em grande parte dos GPS. Portanto, fique ligado para não se perder, logo com o aparelho feito para isso não acontecer.

Ótima sugestão de passeio, além de encurtar o caminho até Gramado. Aproveite as dicas e desbrave esta parte da nossa região.

Este post está também em www.jornalnh.com.br/penaestrada

Uma resposta

  1. Agora, em GabrielGuedes.com.br: Um caminho que merece sua atenção http://bit.ly/a9JtlX