Há 172 anos, em Santa Catarina, o naufrágio do Rio Pardo, o barco de Giuseppe Garibaldi

A história do sul de Santa Catarina está intimamente ligada à história gaúcha, a partir do momento em que Giuseppe Garibaldi se associa à luta pela República Juliana, cuja capital foi Laguna. E isso é uma das minhas razões de ter orgulho de ser catarinense e gaúcho ao mesmo tempo.

Numa destas incursões em terras catarinas, há exatos 72 anos, Garibaldi e tropa, embarcados no Capitania de Rio Pardo, naufragaram sobre o parcel de Jaguaruna, que os meus conterrâneos conhecem popularmente como Laje da Jaguaruna. Trata-se de um gigantesco bloco de pedra, distante cerca de 4 quilômetros da costa, que fica entre a Praia de Jaguaruna (Arroio Corrente) e Praia do Campo Bom. O local, que já foi alvo da série de reportagens Globo Mar, da Rede Globo, por causa das ondas gigantes, guardaria também os restos da embarcação do herói farroupilha, que se dirigia para Laguna, onde aconteceria mais outro episódio desta saga: a Tomada de Laguna. Mas até hoje, nunca acharam a embarcação submersa. Garibaldi e parte da tropa sobreviveram ao desastre, descansaram nas areias do Campo Bom, caminharam a pé até a Barra do Camacho, onde encontraram o Seival, outro barco da esquadra farroupilha, utilizado na invasão à Laguna, no enfrentamento às tropas imperiais brasileiras. Foi então que Garibaldi conheceu Ana Maria de Jesus Ribeiro, a Anita Garibaldi.

A história deste naufrágio sempre atiçou minha curiosidade. Me lembro dos tempos de veraneio em Campo Bom. Quando criança ainda, sempre ia com minha mãe num restaurante anexo a um camping, onde tinha um quadro pintado com o cenário imaginado na ocasião do acidente. Aquilo revirava minha memória de criança, que sempre vai além do que as pernas alcançam.

Mas pelo jeito não foi apenas em mim que a história se mantinha viva. O jornalista de Tubarão (SC), Julio Cancellier, da Tre Punti Filmes, gravou uma série de reportagens, exibidas exclusivamente no YouTube, como parte do programa Memórias de Garibaldi, em que tenta encontrar o Rio Pardo sob o mar da Jaguaruna. Confira abaixo a produção, dividida em três partes.

A produção foi baseada nas memórias de Giuseppe Garibaldi escritas por Alexandre Dumas, um grupo de amigos que começa a investigar a trágica história do naufrágio do navio Rio Pardo na costa catarinense, no século XIX. Encontram um pescador que revela ter encontrado há alguns anos uma antiga embarcação no fundo do mar, cujas características coincidem com o navio que conduziria o grupo de revolucionários para a Tomada de Laguna. A meta é localizar o tesouro que por mais de 170 anos permanece escondido no oceano.

*Com informações do Sul Notícias

4 Respostas

  1. Evaldo Tonelli

    Caro Julio !

    Fiquei impressionado com o seu documentário sobre Garibaldi em uma de suas sagas nos mares do sul.
    Conheço o parcel da Jaguaruna muito bem, já que por muitas vezes foi meu favorito ponto de caça submarina.
    Minha surpresa, foi saber da possibilidade de ter acontecido um naufrágio lá, e ainda com a embarcação de Giuseppe Garibaldi. Parabéns. Evaldo Tonelli.

  2. Há 172 anos, em Santa Catarina, o naufrágio do Rio Pardo, o barco de Giuseppe Garibaldi. Confira em http://t.co/NB8DYO7

  3. RT @site_do_Gabriel: Há 172 anos, em Santa Catarina, o naufrágio do Rio Pardo, o barco de Giuseppe Garibaldi http://t.co/ga3SZvN

  4. Há 172 anos, em Santa Catarina, o naufrágio do Rio Pardo, o barco de Giuseppe Garibaldi http://bit.ly/qTbuTD